História

A Associação Leigos para o Desenvolvimento nasceu formalmente em Lisboa a 11 de abril de 1986.


A ideia nasce muito antes, com o P. António Vaz Pinto, ainda em Coimbra no Centro Universitário Manuel da Nóbrega (CUMN) e mais alguns universitários – “O que fazer depois de terminado o curso?” - Nasce a ideia de pôr os talentos a render, ao serviço de povos tão ligadas a Portugal e que vivem em situações difíceis. Em 1984 o P. António parte para Lisboa onde fundou o Centro Universitário Padre António Vieira – CUPAV. Encontrou desde logo um conjunto de pessoas com o mesmo sonho e após muitas reuniões ganham forma os pilares: a perspetiva cristã, a comunitária e começa a seleção de locais para missão. Após uma viagem exploratória, o P. António e o grupo fundador decidiram começar por São Tomé e Príncipe.


No princípio os LD eram apenas alguns jovens ligados ao CUMN e ao CUPAV mas, com o passar do tempo e a conquista de alguma notoriedade, jovens de todos os quadrantes da sociedade começaram a mostrar-se interessados e assim dando uma dimensão nacional aos LD. Depois de São Tomé e Príncipe, os LD foram para o Malawi, entre 1991 e 1994, a convite do Jesuit Refugee Service (JRS), estivemos nos campos de refugiados moçambicanos apoiando deste modo as populações deslocadas pela guerra. Em 1992 dois missionários LD viajaram para uma primeira missão em Angola, Uíge, encerrada um ano depois devido à guerra civil. Só em 1996 os LD regressam a Angola, desta vez abrindo uma missão em Benguela, tendo em 2003 regressado também ao Uíge.


Acabada a guerra civil em Moçambique os LD instalam-se nas províncias de Tete e do Niassa. Em 1994 no planalto da Angónia, em Tete, instalaram-se e colaboraram na reabilitação das Missões de Lifidzi, onde permaneceram até 1999. Em Moçambique, seguiu-se Fonte Boa, onde permaneceram até 2006, ano em que faleceu em missão a LD Idalina Gomes, resultando no encerramento dessa missão. Atualmente, os LD estão em Moçambique, na Província do Niassa, com a missão de Cuamba  (desde 1997).


A prolongada ocupação de Timor Leste pela Indonésia, agravada pelos violentos acontecimentos de 1999 aquando do referendo para a independência, deixou o país com graves carências a todos os níveis. Tendo em conta a experiência dos Leigos para o Desenvolvimento, a Companhia de Jesus solicitou a nossa presença no esforço de reconstrução do país, nomeadamente nas áreas da educação e da promoção social. Foi assim que abrimos, no ano 2000, uma comunidade em Díli, onde desenvolvemos atividades na área do ensino e da ocupação dos tempos livres de crianças e jovens e mais tarde o microcrédito. Conseguimos em 2010 criar condições para que praticamente todos os nossos projetos em Díli conseguissem ser sustentados pela população local, sendo que atualmente temos apenas uma pessoa, contratada pelos LD, que coordena a pré-escola de Santo Inácio, também uma obra de raiz dos LD.


Nos 29 anos da nossa história houve sofrimento, fracasso, tentativa, a alegria de partilhar, a coragem de recomeçar, a confiança para continuar e sobretudo muita obra feita e muitas vidas potenciadas pela nossa ação.