Testemunhos

Pela janela do GAIVA

O GAIVA (Gabinete de Apoio à Inserção na Vida Ativa), está situado no CJG (Centro Juvenil da Graça), mesmo à entrada no bairro, local de passagem de muita gente. Aí, onde passo grande parte de muitos dos meus dias há uma janela com vista privilegiada.

Sentada na secretária vejo muita coisa. Muita esperança, muita alegria, muita vida. Vejo a equipa do Centro Juvenil a chegar, cada um na sua mota, animados e motivados para mais um dia. “ Olá Martinha! Tranquilo, filha?”, “Olá Cachindele! Walale?”. Vejo o Espaço Criança onde há uns meses não via nada, vejo a construção a crescer, símbolo do empenho de uma comunidade e generosidade de tantos. Vejo as senhoras a caminhar para a catequese, onde decorre agora a formação do Epongoloko Lyukãy. Vejo a sua alegria por aprenderem mais e por verem no projeto uma esperança para melhorarem as suas vidas. Vejo a equipa de coordenação do Grupo Comunitário a entrar no centro para reunir com os representantes das entidades do bairro, que abdicam do seu tempo para se unirem pela Graça, pela sua comunidade, tendo o seu desenvolvimento como único retorno. E isto dá tanta esperança! Vejo as crianças, que se “amontoam” à porta do centro a gritar “Marta, estão a subir no carro!” e vejo, por cima do muro, as cabeças e os sorrisos das que estão, efetivamente, em cima do carro. Vejo o “entra e sai” dos formandos do CJG e agradeço por tanto movimento. E vejo os membros do GAIVA a entrarem para os workshops, para saberem de estágios ou para “só saudar”.

E quem espreita para dentro desta janela, o que vê?

Janela GAIVA Benguela Angola

Vê o Fernando, que sonha em conjunto com os membros do GAIVA por um futuro melhor e mais seguro. Vê a Josefa, que depois da sua luta, encontra novamente no GAIVA um meio de lutar pelos jovens da sua comunidade. Vê esta equipa, ouve os seus risos e boa disposição, sente a sua alegria e esperança em abrir muitas portas e janelas para os jovens do bairro da Graça.

E que Graça a minha de poder olhar a Graça por aqui. De receber tantas Graças por esta janela e viver cá dentro outras tantas.

Marta Horta
Benguela 2017-2018