Testemunhos

Nova página, novas pontes

Chegou a hora de escrever sobre a nova “página” da minha missão ao serviço dos Leigos para o Desenvolvimento. Para trás ficam dois anos de missão em Porto Alegre – São Tomé e Príncipe, e tudo o que conteve – as duas comunidades LD, os projetos, os rostos com quem tive o privilégio de me cruzar e as amizades que permanecerão guardadas no meu coração.

Quando me propus regressar a Portugal estava longe de imaginar que Deus me chamaria a “partir” de novo em missão e a começar um novo projeto a 32 km de casa e em que a fronteira seria a Ponte 25 de Abril.

E é do outro lado da ponte que me sinto chamada por Deus, a servi-Lo, a servi-los e a servir-me. É esta a ponte, lugar de passagem, onde se cruzam pessoas tão diferentes e tão iguais, que ganha uma vida própria. E é nesta beleza e simplicidade que me dou conta de que existe uma outra ponte que nos liga – a ponte do amor de Deus.

Ponte

E eis que chega a hora de passar a Ponte para começar esta nova aventura, tão diferente das outras páginas anteriormente escritas. E aí vou eu. Vou com alguns receios mas vou sobretudo confiante, guiada pela luz de Deus.

E esta missão é diferente nos projetos. Estarei responsável pela criação e acompanhamento de um grupo de mulheres, que tem como objetivo a sua capacitação multidimensional, através da valorização de talentos, aquisição de conhecimentos, processos de capacitação e reforço de capacidades, dinâmicas participativas e do diálogo intercultural.

Estarei ainda a fazer um diagnóstico do comércio local e oportunidades económicas.

É diferente, também, na vida comunitária. Uma comunidade mais pequena. Faço comunidade com a Constança, que passo a passo, dedicada e sem pressas temos procurado fazer caminho juntas.

Estar em missão ensina-me a olhar para as coisas de forma mais paciente e resiliente, ajuda-me a estar mais disponível e atenta aos pormenores, ao meu próximo e ao amor. Ajuda-me a ir percebendo e valorizar o que é essencial.

Estar em missão é uma constante mudança da nossa vida, do nosso pensar, do nosso saber, do nosso fazer.

Como é possível que já tenha passado um mês desde a minha chegada a Caparica?!

Sinto-me tão feliz! Não posso deixar de agradecer a Deus por todas as maravilhas que me concede e coloca no caminho!

Marta Barreiras
S. Tomé e Príncipe, 2015-2017
Caparica-Pragal, 2018