Testemunhos

Instante mágico

Li há algum tempo, algures, que todos os dias Deus nos dá, juntamente com o sol, um momento em que é possível mudar tudo aquilo que põe em causa a nossa felicidade. Nesse pequeno excerto, chamaram a esse momento o “instante mágico", um instante em que, segundo os experts na matéria, toda a força das estrelas passa por nós e nos permite fazer milagres.

Diziam também os tais entendidos que, às vezes, a felicidade é uma bênção mas que, geralmente ela é uma conquista. Os instantes mágicos dos nossos dias servem então para nos ajudar a mudar e a correr atrás dos nossos sonhos. É certo que o caminho não será um mar de rosas e que as dificuldades vão ser muitas mas, no final de tudo, essas turbulências serão passageiras e não deixarão marcas. Permanece então tudo aquilo que, ao lembrarmos, nos aquecerá o coração… “olharemos para trás com orgulho e fé”.

Tenho-me lembrado muito desta pequena passagem durante estes meses de missão. Tenho tentado estar atenta a cada instante mágico, procurando utilizar da melhor maneira os milagres que Deus vai semeando nos meus dias… E são tantos!

Passados quase 12 meses em missão, a gratidão que sinto por tanto que tenho vivido é difícil de exprimir!

O trabalho com o Grupo Comunitário do Bairro da Graça dá-me todos os dias razões para sorrir. Poder partilhar o caminho com tantas pessoas, aprender e ensinar em simultâneo, planear, executar e colher os frutos de todo esse esforço conjunto. Tenho aprendido tanto mas, ao mesmo tempo, tenho sentido cada vez mais que tenho tanto para ensinar que nem sabia ter! E às vezes basta só estar, basta só ser, basta só intervir no momento oportuno. Os milagres germinam dessa semente que Deus vai semeando nos nossos dias!

Os últimos dias foram exigentes e de muito trabalho.
No Grupo Comunitário estamos a terminar um documento que vai servir de apoio e ferramenta para a sua intervenção nos próximos 5 anos, tendo ainda maior importância quando sabemos que, dentro de 1 ano, os Leigos para o Desenvolvimento entregarão o projeto à comunidade. Reunir as entidades à volta de uma mesa para discutir problemas e estratégias para a sua solução foi um trabalho árduo mas, ao mesmo tempo, muito gratificante. Nesta fase final, vemos claramente como a felicidade se constrói mesmo nas pequenas coisas e como todos podemos ser agentes de mudança!

Em paralelo com este trabalho, tínhamos também mais uma atividade do Grupo Comunitário a ser preparada, a “Noite com Graça”. Com esta atividade trouxemos à cidade de Benguela uma amostra da melhor arte que se faz no bairro da Graça, divulgando assim o potencial dos grupos teatrais, dos poetas, músicos, bailarinos e pintores. Com este evento queríamos também angariar fundos para a obra do Espaço Criança, já em execução. A sala encheu, as luzes apagaram-se e a magia aconteceu! Os sorrisos nos rostos de quem tanto trabalhou para tudo se realizar, diz tudo... E mais uma vez me sinto privilegiada por poder ajudar este Grupo a crescer!

Não podia deixar de partilhar um outro lado, também tão importante deste meu caminho em missão: o trabalho pastoral com o Agrupamento de Escuteiros nº 03, diretamente com os escuteiros mais velhos, os Caminheiros. Trabalhar com este grupo de cerca de 60 jovens, poder partilhar experiências e fazer-me ao caminho com eles, tem enchido o meu coração!

E neste momento sinto o tempo a escapar-me por entre os dedos como grãos de areia fina. Ao mesmo tempo sinto que deixar tanto e tantos não vai ser tarefa fácil. No entanto, conforta-me uma enorme serenidade e certeza de que dei e me dei sem hesitação e que fui semeando e colhendo destes milagres que Deus colocou à minha disposição como instrumentos para alcançar esta felicidade que conquistamos juntos.

Nestes dias em que lembramos Madre Teresa de Calcutá, recordo um texto dela que, antes de vir em missão, alguém me deu a conhecer com tanto carinho. E no final de contas sei que é mesmo isto, é mesmo tão verdade e sinto-me tão abençoada por ter a oportunidade de viver tudo isto!

Instante Magico

Ensinarás a voar...
Mas não voarão o teu voo.
Ensinarás a sonhar...
Mas não sonharão o teu sonho.
Ensinarás a viver...
Mas não viverão a tua vida.
Ensinarás a cantar...
Mas não cantarão a tua canção.
Ensinarás a pensar...
Mas não pensarão como tu.
Porém, saberás que cada vez que voem, sonhem, vivam, cantem e pensem...
Estará a semente do caminho ensinado e aprendido!

Sílvia Santos
Benguela, 2016-2017